Vitamina D: a melhor amiga dos ossos, intestino e rins

Vitamina D: a melhor amiga dos ossos, intestino e rins

Se nos anos 90 e 2000 muito se falava sobre vitamina C e a ingestão de suco de laranja, a última moda, já duradoura, entre os compostos, é a vitamina D.

O que muita gente não sabe é que a vitamina D encontrada nos alimentos é bem baixa, ficando entre 10 e 20% e podendo ser encontrada em pratos como o bacalhau, ovos, cogumelos, sardinha e outros peixes.

Uma vez que fontes alimentares carregam baixa carga da vitamina, outros dois itens são responsáveis pela maior absorção: a exposição solar e sua versão em comprimidos ou gotas, sempre acompanhada de orientação médica.

Abaixo, elencamos alguns fatores importantes sobre o assunto. 

Quais os benefícios da vitamina D? ​

Ter um valor de vitamina D controlado e dentro dos índices saudáveis para o composto só traz benefícios à saúde de qualquer paciente.

Sua atuação age nos ossos, intestino e nos rins, principalmente, por regular o cálcio e fósforo do organismo, equilibrando órgãos e células. Além disso, estudos já relacionam que a medida certa de vitamina D pode controlar doenças crônicas, imunológicas e infecciosas.

A importância da reposição da vitamina D​

Alguns grupos específicos de pessoas apresentam maior risco para a deficiência da vitamina D e são elas: 

  • Idosos; 
  • Lactantes e gestantes; 
  • Diabéticos; 
  • Pessoas com obesidade; 
  • Pacientes com câncer

Além deles, pessoas com osteoporose, doença renal crônica ou insuficiência cardíaca também tendem a apresentar menores índices de vitamina D no sangue. 

Nesses e em outros casos de baixa vitamina D, os sintomas são, em geral, os mesmos: raquitismo, osteoporose e até maior ocorrência de infecções. 

Sobre sua reposição, devemos ter em mente o quanto deve-se cuidar para não exagerar: a superdosagem de vitamina D também pode trazer problemas e sobrecarregar rins, por exemplo.

Para isso, o controle via exame de sangue é de extrema importância e o que será responsável pelo aumento ou diminuição das doses administradas. 

Como reter vitamina D?

Por via das dúvidas, tome sol. Cada pele e cada pessoa tem seu tempo certo para isso, mas, em geral, 15 minutos diários de exposição ao sol sem proteção solar. Nesse momento, deixe que o máximo de partes do corpo recebam a luz solar, isso faz toda a diferença.

Uma observação importante é que ambientes fechados por vidro, por exemplo, não possibilitam a absorção necessária de raios UVB, logo, não podem ser contabilizados como o tempo mínimo diário de contato solar.

Outra forma de obter a vitamina D é ingerindo o composto em forma de cápsulas ou gotas, conforme indicado por um médico e baseado em exames de sangue e um diagnóstico preciso.

Do mais, uma vida saudável, com uma rotina minimamente organizada e pensada também em momentos de relaxamento e tranquilidade – com aquela dose diária de sol e uma boa alimentação – têm tudo para contribuir com a absorção da vitamina queridinha de tantos, a vitamina D. 

0